a solidão que acompanha todo homem
enquanto ele passa feito um fantasma
diante da multidão ao seu lado
e se desmancha

vive sem emoções
não busca explicações
se recortando aos poucos pela sala
deixando marcas rasas das suas falhas
sem saber pra onde ir
ou procurar ajuda
sem ser cobrada

olhando as ruas esvaziando
e o asfalto no teu pe
te empurrando de volta
pra um lugar que voce nao quer mais voltar
sendo rejeitado pela cidade
que nunca te aceitou

te vem uma resposta :
agora e sempre
nunca haverá o bastante para todos
sempre faltará demais
pro mundo que um dia
havera de ser um todo
para todos e sempre
como um todo e sempre