Ventos frios e noturnos
Queimam a face de meu rosto
Ouço vozes fascinando o prazer
Ouço gritos de sofrimento e dor

A luz sombria da noite
Como meus lúgubres pensamentos
Leva minha mórbida alma
Aos eternos e doentios prazeres

Nos cânticos noturnos dos lobos
Nos lamentos dos cães ferozes
No fogo brando do inferno
Na negra alma da noite

Ao caminho infinito da alma
A perversidade está em mim
Sinto em minhas veias
O gosto ásperos da morte