1 Prólogo
(Nem/Santana)

É como em uma segunda-feira
Os sonhos são desfeitos
E um gosto amargo na boca
E na consciência

O dia é eterno
O frio e a chuva desconvidam
Para o desaniversário

Eu choro, pois não quero acordar
E não consigo fazer nada
Pois o tempo é relativo
E as horas não querem se apressar

Estou envergonhado
Por ser um privilegiado
Não consigo dizer tudo o que quero
Esquecer tudo o que penso

Salvação
Atribulação
Aflição
Ablução

Só quero chegar em casa
O refúgio da minha casa
Escondido em minha mente